Escolas de samba do Rio ficam sem 50% da verba para 2018.

O prefeito Marcelo Crivella disse, nesta segunda-feira,12/06, que planeja cortar pela metade a subvenção concedida às escolas de samba do Grupo Especial a partir do carnaval de 2018 e que tais recursos seriam remanejados para dobrar as diárias pagas por criança nas creches privadas conveniadas com a prefeitura.

–  Eu propus à Liesa um corte de 50%. A beleza do carnaval carioca está mais no samba no pé mostrado pelos componentes. Juntas, as pessoas formam uma grande geografia humana. Carnaval é muito mais que carros alegóricos. Estamos com restrições orçamentárias. Quero usar esses recursos para, a partir de agosto, pagar uma diária de R$ 20 para atender 3 mil crianças. Hoje, essas creches recebem R$ 10. É pouco. Até mesmo para comprar um iogurte. É uma questão de refletir. Se vamos usar esses recursos para uma festa de três dias (Carnaval) ou ao longo de 365 dias – alegou o prefeito.

DESFILE DAS ESCOLAS DE SAMBA DO GRUPO ESPECIAL DO RIO DE JANEIRO

Foto: internet

Jorge Luiz Castanheira (atual presidente da Liesa) rebateu Crivella

– O espetáculo chegou a um alto nível de qualidade e isso seria um retrocesso. Aumentar verbas para creche de fato é importante, mas é tratar da questão do Carnaval do Rio de uma maneira muito simplista. O carnaval movimenta R$ 3 bilhões para a cidade, conforme a própria Riotur já divulgou. É toda uma economia que gira em torno do evento. Movimenta hotéis, restaurantes… entre outras atividades econômicas que geram impostos para a própria prefeitura – argumentou Castanheira

O assunto é polêmico e já tem escola ameaçando não desfilar e é bom frisar que tais cortes, mesmo em proporções menores, também vão atingir os grupos de acesso.

Em tempos de “crise” todo mundo paga pelo “pato”.